02 novembro 2011

Ao dia de finados

A morte é um processo inerente a vida, pois onde existe vida, a morte mora ao lado. Devemos lembrar daqueles que padeceram e nos deixaram não com tristeza, mas sim com a alegria de terem passado por entre nós e deixado algum legado que hoje reproduzimos e reconhecemos o mesmo. A missão de viver é esta, a realização de algo útil para os nossos semelhantes, pois um dia, aquele que seja breve o não, partiremos para um outro universo que não o nosso. Lugar este que muitos imaginam ser os céus, ou o inferno, ser as nuvens, ser almas perambulantes, enfim, iremos para um lugar antes desconhecido. No dia de hoje, serve para um reflexão maior, no intuito de convergir pensamentos que venham a unir pessoas, no intuito de relembrar histórias, passagens, pensamentos, objetivar, proteger e preservar uma certa espiritualidade, a qual se inexistente em vida, esta perde um pouco do seu sentido, do seu direcionamento, fazendo as pessoas não saberem o que querem, o que podem, nem onde devem chegar, desvirtuando-se, perdendo, até, um tanto do seu potencial biótico para a possibilidade de realizações de benesses para toda a humanidade. Assim, é viver, é morrer, é saber retirar em vida, fatores que nos fortaleçam espiritualmente para que nossas vidas se encham de alegria, felicidades, força, fé, saúde e paz. É com esse ensejo que canto a salva de pessoas que passaram por mim, contribuíram para alguma possível vitória ou derrota minha, pessoas que engrandeceram e que me fazem persistir e ser esperançoso de algo melhor, pessoas que sempre estarão comigo onde quer que eu vá, são elas em especial Walfredo Leite de Souza, meu avô, Josefa Perazzo Leite, minha avó descendente de Antonio Perazzo, Expedito Francisco Monteiro, meu avô, Luiz Carlos Monteiro, meu tio que nos deixou há pouco tempo. E tantos outros, amigos, primos, entes queridos que forneceram do melhor que tinham em vida para os seus, para aqueles que o rodeavam. Desejo felicidades e paz neste dia e nada de tristeza, sim de reflexão, para podermos sempre melhorar como pessoas e seres humanos.

Álvaro Monteiro Perazzo

03 agosto 2011

A Memória da Família Perazzo

No início dos anos 1980, os irmãos Valdir e Argemiro Perazzo, meu tio e meu pai, eram estudantes universitários na cidade do Recife.
Desejosos de conhecerem a origem da família, começaram a estudar a língua e cultura italiana na Escola de Línguas Dante Alighieri, esta apoiada pelo Consulado Italiano do Recife.
Anos depois, em início dos anos 1990, meu tio Valdir Perazzo esteve em Roma, participando de um curso de Direito na Universidade Urbaniana.
A viagem foi inspiradora. Despertou o interesse do mesmo para saber quem eram seus ascendentes.
Em sua volta ao Brasil dedicou-se a uma longa e demorada pesquisa, em cartórios, igrejas, cemitérios, museus, arquivos públicos, em repartições públicas do governo, consulados e embaixada italiana, bem como entrevistando os parentes de idade mais avançada.
Obteve a cidadania italiana em 21 de dezembro de 1998 e compaginou toda a História de luta e dedicação de amor para com a família Perazzo, no livro "DA ITÁLIA PARA O BRASIL: OS PERAZZO EM PERNAMBUCO OU COMO OBTER A CIDADANIA ITALIANA.".
Uma vez obtida a cidadania italiana e já de posse do seu passaporte, agora com dupla-cidadania, pela vez primeira viajou a Itália e visitou a terra do fundador da sua família em Pernambuco, seu bisavô Antonio Perazzo: San Giovanni A Piro, na província de Salerno, na região da Campania.
A partir de então, já visitaram San Giovanni meu pai e minha mãe, Argemiro Perazzo e Rosalva Perazzo, minha prima Carolina Perazzo, meu primo Gustavo Perazzo e eu mesmo. Lá desfrutando da hospitalidade dos parentes, Mario e Antonieta Pirazzo e seus filhos Angelo e Emilia Pirazzo; Gaetano(in memorian) e Gaetana Perazzo e seus filhos Claudio e Stefania Perazzo; Giovanni e Maria Giovanna Perazzo e seus filhos Valentina, Marcello e Alessandro Perazzo, entre outros parentes.
Esse resgate da memória que meu pai e meu tio já obtiveram, me proporcionou um curso de italiano na cidade de Salerno, na Accademia Italiana (http://www.accademia-italiana.it/it.html). Em Salerno, enquanto estudava a língua e cultura italiana, desfrutei da hospitalidade e apoio da família Perazzo(Giovanni, Maria Giovanna, Valentina, Marcello e Alessandro).
No ano de 2010, meu tio Valdir Perazzo participou de um Congresso de Teosofia na cidade de Roma, ocasião em que visitou, em Salerno, a mesma escola e os parentes acima referidos.
Para o ano de 2012, meu tio Valdir Perazzo que fundou a Associação Danti Alighieri no Estado do Acre, Amazônia brasileira, dando prosseguimento ao resgate da memória e cultura italiana planeja estudar italiano em Camerino na Escola Danti Alighieri(http://www.scuoladantealighieri.org/camerino/camerino.html), se fazendo acompanhar do seu filho Filipe Perazzo, sua companheira Regina Pessoa, suas sobrinhas, minhas irmãs, Virgínia e Maria Augusta Perazzo e eu mesmo, Álvaro Perazzo. Es, em voo de pássaro um pequeno bosquejo de como estamos resgatando a saga dos Perazzo.

Álvaro Monteiro Perazzo.

Da Itália para o Brasil: Os Perazzo em Pernambuco




Valdir Perazzo em co-autoria com Elisa Perazzo, Rossini Correia e Sandra Perazzo é autor do livro intitulado "DA ITÁLIA PARA O BRASIL: OS PERAZZO EM PERNAMBUCO."

Os membros da família Perazzo e aqueles que se interessem por genealogia e informações de como obter a cidadania podem adquirir um exemplar da obra, mantendo contato diretamente com o autor, contantando-o em seu e-mail (valdirperazzo@uol.com.br), ou através do contato com o blog.

O custo será apenas das despesas de postagens. Portanto, o valor fica mais acessível e sendo apenas simbólico.

Abraços a todos,

Álvaro Monteiro Perazzo.

11 abril 2011

A presença italiana nos mais diversos lugares do Brasil.

A partir da segunda metade do século XIX, houve um aumento maciço da quantidade de imigrantes italianos que vinham em busca de uma melhor qualidade de vida, já que seu país de origem estava enfrentando uma forte crise em vista do processo de Unificação. Além disso, o Estado brasileiro fornecia o tempo todo e de forma peremptória propagandas de que era neste país onde se podia encontrar o "paraíso", tais imigrantes iriam receber terras, estrutura física quanto financeira para desenvolverem fazendas latifundiárias em prol de seu crescimento econômico e pessoal. Porém, muitos se decepcionaram ao chegar no Brasil, pois não obtiveram, nem chegaram perto de possuir e obter aquilo que lhes fora prometido.
Paralelamente a essa situação, o imigrante Antonio Perazzo viera ao Brasil e se instalara no sertão do pajeú, especificamente na cidade de Afogados da Ingazeira. Assim como retrata Ulysses Lins de Albuquerque em seu livro 'Um sertanejo e o sertão': "Mas não eram apenas os portugueses que se embrenhavam pelos sertões. Alguns italianos ali apareceram - em Afogados da Ingazeira, por exemplo, um Sansoni e um Perazzo deixaram seus nomes perpetuados através de gerações. E outros, em vários municípios."
Em meio a esta situação, a família teve uma afirmação e projeção social marcantes.
Homologamente a esta situação, deu-se a trajetória dos Perazzo na Amazônia, iniciada por Valdir Perazzo que fundou uma cepa da família neste território e que vem marcando com calorosos acontecimentos a vida social e cultural daquele lugar.
Sendo assim, podemos perceber o quão grande é a perspectiva visionária daqueles que fazem parte da família Perazzo, pessoas com uma coragem invejável e que pensam não só no crescimento individual, mas de toda a família, projetando, assim, valores que, por via das consequências, unem, cada vez mais, os parentes mais distantes, outrora desconhecidos entre os mesmos.
É neste ensejo que se faz mister a divulgação de um artigo escrito por Valdir Perazzo, no qual retrata um pouco da história de como surgiu a ideia de obter informações sobre sua origem, de obter a cidadania italiana e de deixar registrado uma árvore genealógica em livro para um conhecimento futuro das gerações vindouras.Além de mostrar como se deu a sua ida à Amazônia. Assim como diz José Américo de Almeida em seu livro 'A Bagaceira': "Tudo se desfaz, menos os elos nativos que prendem o homem à terra.O homem sempre será prisioneiro de sua origem".


A ITÁLIA NA AMAZÔNIA

Valdir Perazzo
Defensor Público


“Recorda-te da tua origem
Não foste feito para viver como os animais
Mas para seguir a virtude e a consciência”
Dante Alighieri

Em julho de 1992, eu e um grupo de brasileiros, participamos, em Roma, de um seminário de direito para advogados, na Universidade Urbaniana. Uma Universidade Católica de grande prestígio. O seminário foi organizado pela Congress. Uma Agência de Turismo que, anualmente, faz grandes grupos de juristas para excursões na Europa. Pelo menos fazia, antes dos atentados aos Estados Unidos. De Rondônia, lembro-me do Doutor Luiz Malheiros Tourinho, Doutor Alexandre Fonseca e do Desembargador Dimas Fonseca. Foi uma viagem inesquecível! Guardo o certificado - cujo texto está escrito em latim -, de participação com grande orgulho.
Em Roma despertou-me o interesse de descobrir minhas origens. Durante toda minha vida ouvi os parentes dizerem, com satisfação, que éramos de origem italiana. Especulavam que o parente que deu origem à família – Antônio Perazzo - era de Milão. Especulavam, posto que, Antônio Perazzo como camponês pobre e analfabeto, nada deixou sobre sua vida na sua pátria – a Itália. Olhei o catálogo telefônico e constatei que, efetivamente, havia muitos Perazzo em Roma e Milão. Mas como pesquisar se não sabia o ano de seu nascimento, o nome de seus pais e a localidade que havia nascido? Fiquei desalentado, mas não perdi a esperança.
Ao voltar para o Brasil, por alguns anos, deixei o projeto da busca das origens arquivado. Em 1995, mudei-me para Brasília. Trabalhei como assessor técnico do Senado Federal. Um dia de sábado, conversando com o escritor Rui Vieira sobre o assunto, este me estimulou a escrever um livro genealógico sobre os Perazzo. Fiquei convencido de que a busca das origens engrandeceria as Histórias do Brasil e da Itália. Dei início as pesquisas. No mesmo ano visitei o túmulo de Antônio Perazzo em Pernambuco. Para minha surpresa, não constava de seu epitáfio nem o ano de nascimento, nem o lugar onde havia nascido. Constava apenas o ano em que havia falecido: 1917.
Entrevistei todos os velhos da família. Tenho essas entrevistas gravadas em fita K-7. Os velhos eram netos de Antônio Perazzo. Quase nada sabiam. Albert Hourani, em Uma História dos Povos Árabes, diz que, os povos não letrados, depois da quinta geração já não sabem quem são seus ancestrais. No caso, na 2ª geração, meus parentes não sabiam mais quem havia lhes dado origem. Entrevistei meu pai. Deu-me a informação de que em 1942, durante a 2ª Guerra Mundial, havia sido portador de uma carta vinda da Itália. Muito provavelmente um pedido de ajuda. Mas essa carta se extraviou sem que conseguissem ler o seu conteúdo. Poderia ser o elo de ligação com os Perazzo italianos.
Em uma outra viagem a Pernambuco, fui à Igreja onde Antônio Perazzo provavelmente havia se casado. Fizemos a pesquisa, mas não localizamos seu certificado de casamento. Pedi ao pároco da Igreja que solicitasse da secretária novas buscas. Quando já estava em Brasília recebi a certidão de casamento de meu bisavô. As informações não eram completas. Não existia a informação do ano em que havia nascido e o lugar de nascimento era inexistente. A secretária grafou errado. O padre da Igreja vizinha onde meu bisavô se casou é italiano. Pedi-lhe que, ele próprio, verificasse os assentos de casamento de Antônio Perazzo. Finalmente, depois de anos de pesquisa, obtive a informação mais importante. Soube que Antônio Perazzo era de Salerno, no Reinado da Itália.
De posse desses dados, escrevi para o Arquivo de Estado em Salerno. Em fevereiro de 1997, recebi uma carta da Itália, cujo conteúdo era a certidão de batismo e de nascimento do meu bisavô. Por pouco não perdi essa informação. A carta da Itália foi postada para o Rio de Janeiro, na suposição de que a capital do Brasil era essa cidade. A partir daí dei início a uma verdadeira via crucis à Embaixada da Itália. Finalmente, em 21 de dezembro de 1998, depois de oito anos de pesquisa, que começou com aquela viagem à Itália, obtive o “riconoscimento della cittadinanza italiana”. Sou cidadão brasileiro e italiano por força do que dispõe o art. 12, parágrafo 4º, inciso II, letra “a” da Constituição Brasileira de 1988.
Enquanto buscava as origens, para efeito de obter a cidadania italiana, concomitantemente fui juntando as reminiscências da família para transformar em um livro. Pequenos retalhos, posto que, como disse, Antônio Perazzo nada deixou por escrito. A primeira e segunda gerações de Antônio Perazzo era de pessoas pouco letradas. Não organizaram a memória da família. Em 1999, publiquei, em parceria, o livro: “Da Itália Para o Brasil: Os Perazzo Em Pernambuco”. Não tem valor literário. O único valor é sentimental. Achei por bem publicar para dar conhecimento às gerações vindouras. Prestar uma homenagem a um homem pobre, analfabeto, sem falar a língua portuguesa, mas que teve a coragem de deixar a sua pátria para plantar uma geração no Brasil.
Como Antônio Perazzo, eu também fui imigrante. Em 1984, recém formado em direito, com poucas perspectivas de trabalho em Pernambuco, mudei-me para a Amazônia (Rondônia). Aqui fui bem acolhido e me profissionalizei. Antônio Perazzo foi bem recebido no Brasil e teve êxito. Imigrante pobre, casou-se com uma filha do patriciado rural e projetou-se socialmente. Antônio Perazzo veio para o Brasil fazer a América, como diziam os italianos. Eu, como os demais imigrantes de Rondônia, viemos fazer um novo Estado. Aqui plantei uma geração. Os Perazzo de Rondônia saberão, posto que registrei em livro, de onde vieram daqui a 200 anos. Um livro é um registro indelével.
Por quê dou esse depoimento? A presença italiana em Rondônia, como de resto em toda a Amazônia, é imensa. Em 1903, quando Rio Branco começava a existir, no lugarejo, constatava-se a presença italiana. A saga italiana segue a História do Brasil. Dos 03 (três) Senadores de Rondônia, 02(dois) são de origem italiana: Moreira Mendes e Amir Lando. O Governador de Rondônia é de origem italiana: Bianco. Dos prováveis candidatos ao Governo de Rondônia, creio que 04 (quatro) são de origem italiana: Bianco, Lando, Cassol e Valverde.
Folheando o livro “História, Curiosidades e Relatos Inéditos”, sobre a colonização de Ji-Paraná, do jornalista João Vilhena, editado pelo empresário Luis Bernardi, observo que mais de 30% das famílias citadas no livro são de descendentes de italianos. Vejamos: Lamota, Bártolo, Paio, Dalamartha, Tornoschi, Gazoni, Canuto, Laurito, Bernardi, Vale, Fontenelle, Sales, Borgio, Vilela, Pavan, Esteves, Coleto, Bianco, Falco, Sanchotene, Perote, Piloto, Malini, Matana, Benevenuti, e Ronconi. Pessoas, cujos pais fizeram a América, e eles próprios estão fazendo Rondônia e a Amazônia.
Portanto, meu modesto livro pode servir de paradigma para que outros descendentes de italianos como eu, que estão fazendo Rondônia, organizem a memória de suas famílias, bem como obtenham a cidadania italiana, evitando assim que a memória dos dois países não se perca na noite da História.



Abraços a todos,

Álvaro Monteiro Perazzo

09 abril 2011

Eutrópia Leite Perazzo (Dona Tofinha)



Um dos grandes propósitos da criação deste blog é a intenção de resgatar todos aqueles que fizeram e fazem parte da Família Perazzo.
Entre eles, aqueles que contribuíram das mais diversas formas para com o crescimento seja individual dos membros ou seja com o crescimento de todo o clã familiar.
Entre as pessoas que mais ajudaram a família foi a querida Dona Tofinha, pessoa de grande espiritualidade e firmeza de suas ações. Uma grande Mãe, uma grande avó, uma grande bisavó, uma grande tia, filha, irmã. Enfim, uma pessoa que deixou um legado para aqueles que conviveram com ela, fato demonstrado em suas atitudes e gestos. Em vista disso, Valdir Perazzo, seu primo, redigiu algumas palavras em forma de depoimento e homenagem in memorian da encantadora Dona Tofinha, como era conhecida por todos.

DONA TOFINHA
Valdir Perazzo

Tomei conhecimento da morte de Dona Tofinha, em e-mail que recebi de sua neta, Sandra Perazzo. Seu depoimento me inspirou a externar a emoção que já vinha sentindo desde que fui informado de sua grave doença, por minha irmã, Vilma Perazzo. Dona Tofinha era como uma preceptora para toda a minha família. Portanto, são inúmeras as lembranças agradáveis de que dela trago comigo. Entretanto, meu depoimento não será de tristeza. O filósofo Sêneca, em seu festejado livro “Aprendendo a Viver”, diz que: “...uma grande parte daqueles que amamos, embora nos sejam tirados, permanece conosco. Precisamos ter a certeza na alma de que seguiremos aqueles que perdemos”.
Dona Tofinha e eu temos a mesma origem. Somos da mesma cepa. Pelo lado paterno descendia da família Leite. Era neta de Fillipe Pedro de Souza Leite, de quem eu sou bisneto. Seu pai, Adelino de Souza Leite, era irmão do meu avô, Argemiro de Souza Leite. Nosso ancestral remoto comum é o casal Pedro Leite Ferreira e Isabel Gomes de Almeida, de origem portuguesa, que viera da Bahia para a ribeira de Piancó, em 1755, e fixara residência no lugar denominado Tapera, à margem direita do Rio Genipapo, no Estado da Paraíba, cuja descendência ramificou-se pelo Sertão do Pajéu, em Pernambuco.
Pelo lado materno, Tofinha era de linhagem italiana – Antonio Perazzo, seu avô e meu bisavô, era oriundo de San Giovanni A Piro, província de Salerno, no Sul da Itália. Ele se casou em Afogados da Ingazeira, Estado de Pernambuco, em 30 agosto de 1885, com Amélia Leopoldina de Almeida Pedroza, moça de família portuguesa, integrante do patriciado rural sertanejo, sendo a filha menor Antoniela Perazzo Leite, mãe de Tofinha e minha tia-avó por parte de mãe.
Carrego a influência benéfica de Dona Tofinha até no nome. Ainda criança, manifestei curiosidade à minha mãe em saber como o tinha escolhido. Revelou-me que fora sua prima, Tofinha, quem sugerira. Na vida adulta, por volta dos vinte anos, fui à Tabira sacar uma segunda via de minha certidão de batismo. Para minha surpresa, soube que fora batizado com outro prenome. Recusei-me em receber o documento sem que nele estivesse grafado o nome com o qual já me identificava. Terminei por obter o certificado na forma como tinha a convicção de que havia sido batizado. Reafirmou-se a sugestão de Tofinha, rebatizando-me.
Em 1983 me graduei em Direito. Pouco tempo depois, em uma das vezes que fui à Tuparetama, como de costume, fui visitar minha prima Tofinha. Um dos temas da conversa foi o meu futuro profissional. Mais uma vez, com o seu espírito solidário, evidenciou as circunstâncias favoráveis que me levaram a migrar para Porto Velho, Estado de Rondônia. Aí dei início a uma carreira jurídica, nela me realizando. Foi graças à sugestão de Tofinha que me encontro na Amazônia por mais de uma vintena de anos.
Nas renovadas vezes em que visitava Tofinha, quando de férias em Tuparetama, sempre a encontrava de bom ânimo. Era uma pessoa “prá cima”. Não tenho dúvidas de que isso se devia à sua vida espiritual. Tinha com freqüência um livro devocional em suas mãos. Disso dou testemunho! A liderança espiritual que Tofinha exerceu sobre os parentes mais próximos, e à qual sua neta Sandra Perazzo se refere, muito se parece com a liderança espiritual que sua prima e minha tia Maria Leite exerceu sobre mim. Dessa influência benéfica fui amplamente favorecido.
As grandes religiões são concordes em afirmar a coragem como grande virtude. Enfáticas, dizem: “A coroa da vitória é somente para aquele que se mostra digno de usá-la”. Não destoa a filosofia, quando proclama: “...o mal não provém do que te acontece, mas sim de tua indignação e de tuas reclamações”. Tofinha teve longa vida. Enfrentou as adversidades da existência sem queixa. Em todas as ocasiões em que com ela interagi, nunca a encontrei pessimista ou com qualquer outra manifestação de desalento para com os problemas que a todos afligem. A coragem foi sua grande virtude.
Charles Webster Leadbeater, que foi bispo da Igreja Católica Liberal e destacado autor de livros sobre Teosofia, em “O QUE HÁ ALÉM DA MORTE”, citando “O Canto Celeste”, de Edwin Arnold, dá-nos profundo alento da eternidade da alma:

“Nunca o espírito nasceu,
nem cessará de ser;
Jamais deixou de existir;
Sonhos são o começo e o fim!
Sempiternamente permanece o espírito
Inascível, imortal e imutável.
Em nada o afeta a morte,
Embora pareça morta a sua morada!”

Abraços a todos,

Álvaro Monteiro Perazzo

17 março 2011

A Unificação Italiana e a Emigração de Antonio Perazzo


Antonio Perazzo in memorian - Um herói anônimo.



17 de março de 2011. Festa na Itália. Hoje é um grande marco na história do país e principalmente de sua população, pois a 150 anos atrás tal país estava sendo unificado. Um movimento iniciado no ano de 1815 até o ano de 1870 fora chamado de Risorgimento, em português ressurgimento, o qual buscava unificar o país que antes era um conjunto de pequenos Estados sob a influência de potências estrangeiras. O rei do Piemonte-Sardenha, chamado de Vítor Emanuel II, da Casa de Saboia, apoiado pelos conservadores liberais, obteve sucesso quando entre 1859-1861 formou a Nação-Estado, estando em um nível de forças acima de partidários esquerdistas, republicanos e democratas que militavam sob o comando de Giuseppe Mazzini e Giuseppe Garibaldi. A tão sonhada e esperada Unificação Italiana aconteceu assim, na Casa de Saboia, com anexação e domínio dos Reinos da Sardenha, da Lombardia, do Vêneto, das Duas Sicílias, do Ducado de Modena e Reggio, do Grão-Ducado da Toscana, do Ducado de Parma e dos Estados Pontifícios. A primeira parte do Risorgimento, aconteceu entre 1848-1849, onde se desenvolveram vários movimentos revolucionários e uma guerra contra o Império Austríaco, mas esta se concluiu sem modificação do status quo. A segunda parte gerou-se de 1859 a 1861 quando o Vítor Emanuel II foi proclamado Rei da Itália, a 17 de Março de 1861, e a comunidade internacional, com exceção da Áustria, reconheceu o nascimento do novo Estado Italiano. Logo após, em 1865, a capital Turim foi transferida para Florença (Firenze), já falecido o Conde Cavour. A Unificação, de fato, estaria completa a 20 de Setembro de 1870, com a anexação de Roma, antes capital dos Estados Pontifícios. Dessa forma, os italianos comemoram piamente a 17 de março de 1861 o nascimento do Estado Italiano, um marco de luta pela liberdade contra as potências estrangeiras e a demonstração da força de seu povo em busca de um ideal. Pode-se perceber, nos mais diversos lugares, a determinação de um povo que não aceita desavenças e critica as formas de governo autoritárias, fatos marcados na história desde épocas do Império Romano. Em meio a este contexto estava Antonio Perazzo, filho de Gaetano Perazzo e Domenica La Guardia, tendo quatro irmãos (Antonio, Biaggio, Francesco e Vincenzo), o italiano ascendente de nossa família, nato a 30 de agosto de 1847 a San Giovanni a Piro, uma comune da provincia de Salerno, na região da Campania, que em meio a crise obteve uma solução de sair de seu país de origem em busca de melhorias na qualidade de vida, um homem de coragem e ousadia que cruzou o Oceano Atlântico sem ao menos saber o que lhe esperava, pois assim como diz Zuleika Alvim: "o Sul era retrógrado, com uma economia agrícola que guardava aspectos de servidão". Além disso, o Estado brasileiro emitia a todo tempo propagandas com um intuito de formar uma nova massa de trabalhadores para a lavoura de café, até então os negros africanos haviam sido alforriados, pois já vigorava no país a Lei Áurea. No final da segunda metade do século XIX chega ao Brasil Antonio Perazzo, não se sabe os motivos de sua vinda para o Nordeste, já que a maior parte dos italianos foram para o Sul e Sudeste. A partir daí, Antonio virara comerciante, negociante e viajava pelo interior do estado de Pernambuco para cumprir com suas atividades e manter o seu meio de sobreviver. Nestas idas e vindas, fixou residência no município do sertão pernambucano Afogados da Ingazeira. Casou-se com uma moça pertencente ao patriarcado rural. Logo, tornou-se capitão da Guarda Nacional. Não voltando mais a Itália, veio a falecer em 1917 na cidade onde está sepultado, Jabitacá, atualmente distrito de Iguaracy, Pernambuco. Apesar de sua origem aparentemente simples, fundou uma família de grande projeção social, a qual apresenta e apresentou advogados, médicos, professores, administradores, lideranças políticas, autoridades públicas, comerciantes, ou seja, pessoas que contribuíram e contribuem para a melhora e o crescimento da região, do lugar onde quer que esteja. Portanto, homenagens devem ser sempre feitas a aqueles que buscaram a realização de um fator modificante para um certo clã social. Assim como os idealistas construíram uma nova Itália a 150 anos atras, Antonio Perazzo, também teve seu heroísmo, pois ajudou a contruir um país chamado Brasil. Dessa maneira, nossas homenagens aos participantes da Unificação Italiana e ao nosso ascedente que por uma atitude inovadora deu origem a esta família grande e maravilhosa. Um viva aos heróis, aqueles que anseiam por mudanças e novas concepções, sejam anônimos ou não!!!

Abraços a todos,

Álvaro Monteiro Perazzo

22 fevereiro 2011

Frei Bernardino Ricci

Uma homenagem ao Frei Bernardino Ricci por sua inestimável colaboração na aproximação entre a família Perazzo do Brasil e da Itália.

Este belíssimo folder contando a tragetória de sua vida foi feito em comemoração aos seus 90 anos de idade completos em 24 de março de 2010.






03 fevereiro 2011

Árvore Genealógica dos Perazzo na Itália



Acredito que o grande propósito deste blog é resgatar nossa memória como família que parte se encontra no Brasil e deseja encontrar seu elo no seu país de origem a Itália.

Este rascunho de árvore genealógica foi feito pelo Frei Bernardino Ricci que foi o primeiro embaixador entre os Perazzo do Brasil e os da Itália.  E em sua viagem a San Giovanni a Piro há quase uma década estabeleceu o primeiro contato com os familiares de lá e desenhou este rascunho. Sem dúvida este documento será uma referência importante para chegarmos os irmãos e quem sabe também os primos de Antônio Perazzo que lá ficaram e deram origem aos Perazzo que conhecemos e os que certamente iremos conhecer.


Valdir, temos bastante material para o início da pesquisa.  Convoco a todos que tenham documentos, cartas, testemunhos, vídeos, fotografias e gravações, a colocarem aqui neste espaço em benefício do resgate da memória da família Perazzo.

Abraço a todos,

Gustavo Perazzo Dantas

02 fevereiro 2011

Discurso de Francisco Perazzo na Capela da Fazenda Riachão em 2007 na missa em memória de seus pais Francisco Chaves Perazzo e Ana Leite Perazzo

video

Não sabia que tio Perazzo iria fazer um discurso naquele momento da missa esperando que fosse fazer apenas uma oração.  Por isso não estava com a câmera pronta.  Mesmo assim deu para registrar a maior parte da história de tantas que ele adorava contar.

Meu querido tio Perazzo era um dos grandes entusiastas deste movimento de resgate da memória da família e foi uma grande perda para todos nós.  Deixa muitas saudades.

01 fevereiro 2011

Álbum de fotos do Casamento de Mario e Maria Pirazzo

video

Inauguro este blog sobre a nossa família Perazzo com este vídeo feito na casa de Mario, Maria, Emilia e Angelo em San Giovanni a Piro, cidade natal de Antonio Perazzo que deu origem a nossa família no Brasil.  Primeiro explico o porque desses nossos primos não terem sobrenome Perazzo e sim Pirazzo:  no ano de 1928 quando o avô de Mario foi registrar seu pai no cartório, houve um erro de grafia ficando assim Pirazzo.  Porém isto não impediu que seu pai registrasse seus filhos uns como Perazzo outros como Pirazzo.  Gaetano, irmão de Mario é portanto Perazzo.

A bela família de Mario Pirazzo foi muito acolhedora e me recebeu extraordináriamente bem para um almoço de domingo quando foi feito este filme. Este que um dia possa ser utilizado nas pesquisas sobre nossa família que ficou na Itália.

Gostaria de colocar neste blog um pouco de que senti quando fui acolhido por esses primos distantes nesta pequena cidade no sul da Itália.  A sensação que tive é como se estivera na casa de um tio querido para um almoço especial de família.  Nunca imaginaria que pessoas que nunca me viram antes fossem me tratar tão bem e com tanto carinho.

O almoço foi típico italiano, com pasta feita pela dona da casa Maria, assim como o pão, o vinho feito por Mario, as frutas e verduras do próprio pomar e claro a companhia da Nona que estava presente e muito falante.

Segue fotos da família e da cidade.

Espero que este blog seja de muita utilidade para nós Perazzo nascidos no Brasil e que possamos nos aproximar tanto dos primos daqui quanto da nossa outra pátria Itália e dos que lá ficaram.

Um abraço a todos,

Gustavo Perazzo Dantas
Chegando de carro à cidade

Fotos de família

Pomar atrás de casa de onde saíram vários ingredientes do almoço

Mário com a fotos de seus pais

Mario, Maria, eu, Emilia e Angelo

Eu e a esposa de Gaetano Perazzo, irmão de Mario, na frente do pomar

Belíssima vista de San Giovanni a Piro

Mario e sua filha Emilia que me mostraram a cidade


Ao lado da Igreja de Pietra Santa onde Antonio Perazzo foi batizado

Vista do alto da torre da igreja

Pietra Santa, padroeira da cidade em ilustração na entrada da igreja que leva seu nome

Igreja e altar onde fica a imagem de Pietra Santa

Parte antiga da Igreja feita há mais de mil anos

Antigo sino da Igreja

Mais um irmão de Mario e Gaetano, este um sorridente pintor

Mais uma prima Perazzo que encontramos andando pela cidade

Esta (à esq) a única irmã de Mario (ao todo são 7 irmãos), muito simpática apesar de ter ficado viúva há apenas 3 meses. Segurava minha mão e não queria que eu fosse embora pedindo carinhosamente para que eu ficasse.